Como as vacinas agem no organismo de uma pessoa? Leia e descubra

samelblog
15 de janeiro de 2021

As vacinas são usadas há décadas no Brasil, sendo o mais importante meio de prevenir doenças contagiosas, como o sarampo, por exemplo. Mas você sabe como as vacinas agem no organismo de uma pessoa? 

A questão é relevante e deve ser explicada, uma vez que existem dúvidas sobre as vacinas que estão sendo desenvolvidas para o combate à pandemia da covid-19.

É para ajudar você a entender como as vacinas funcionam que nós, da Samel Planos de Saúde, elaboramos este artigo. Continue a leitura e veja como o corpo aprende a se defender de doenças após a imunização. 

O que são as vacinas?

Vacinas são substâncias produzidas em laboratórios a partir dos elementos de um vírus (causador da doença). São usados partes do vírus ou o próprio vírus, enfraquecido, de modo que eles sejam incapazes de desenvolver a doença. 

O objetivo das vacinas é estimular a produção de anticorpos, células de defesa do organismo, que protegem o corpo diante da invasão de um agente infeccioso. 

A produção de uma vacina requer anos de pesquisa e testes que comprovem a sua eficácia. A da catapora, por exemplo, demorou 28 anos. A mais rápida, contra a caxumba, levou 4 anos. 

Já as vacinas contra o novo coronavírus foram produzidas em tempo recorde, como você verá mais adiante. 

Uma vez comprovada a eficácia, elas estão prontas para serem comercializadas. 

No Brasil, o Ministério da Saúde é responsável por imunizar a população gratuitamente contra determinadas doenças, como a febre amarela, hepatites A e B, tétano, entre outras.

Como as vacinas agem no organismo?

Antes de explicar como as vacinas agem no organismo, é preciso entender como adoecemos. 

Funciona assim: quando um agente infeccioso (germes, bactérias e vírus) invade o organismo de uma pessoa, ela adoece e sofre todos os sintomas da doença. 

Durante esse processo, o sistema imunológico identifica o invasor e as células de defesa agem para eliminar o agente que causa a doença. 

Ao mesmo tempo, cria a chamada “memória imunológica”. Ou seja, se o mesmo agente infectar a pessoa mais uma vez, os anticorpos já estão preparados para combater a doença. 

A lógica da vacina é tentar estimular o organismo a produzir os anticorpos sem que a pessoa precise ficar doente antes. 

As vacinas causam reações?

É absolutamente normal que o paciente sinta algumas reações após a vacinação. As mais comuns são:

  • Indisposição;
  • Febre leve;
  • Dor de cabeça;
  • Inchaços no local da aplicação. 

No entanto, é preciso entender que as reações, quando surgem, não representam qualquer risco à saúde. Isso ocorre porque o sistema imunológico está aprendendo a se defender da doença. 

Não deixe de conferir também:

Nova cepa do coronavírus: o que se ela sobre ela? A Samel explica

Como funciona a terapia? O que é, tipos e quando devo procurar

Erradicação de doenças

As vacinas foram as grandes responsáveis por diminuir e até zerar a taxa de incidência de algumas doenças no Brasil. Um exemplo clássico é o sarampo, que foi considerado erradicado em 2016 pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Outras, como poliomielite, difteria e rubéola também chegaram a zerar a taxa de incidência. Mas, para que o país continue sem registros dessas doenças, é preciso que a população siga corretamente o calendário de vacinação. 

Vacina contra o novo coronavírus

Com a pandemia do novo coronavírus, uma das maiores esperanças de combate está na descoberta de uma vacina eficaz. Laboratórios de vários países já chegaram à fase conclusiva de testes e as vacinas já estão sendo usadas em programas de imunização. 

É o caso de Israel, Reino Unido, Estados Unidos, Dinamarca, Rússia, Alemanha, Canadá, China, Itália e Emirados Árabes Unidos.

Por enquanto, o Brasil ainda aguarda a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) para o uso emergencial de duas vacinas: a de Oxford, do Reino Unido, e a CoronaVac, do Instituto Butantan. 

Eficácia

Ambas as vacinas apresentam resultados animadores. A CovonaVac chegou a 50% de eficiência, o mínimo estabelecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS)

Isso significa que os vacinados com a CoronaVac têm metade do risco de desenvolver a doença em comparação aos não vacinados. No teste, apenas 1,8% dos vacinados contraíram o vírus. Ou seja, uma resposta imune em 97% dos vacinados.

Com a vacina de Oxford, o índice de eficiência é de 62%. Após a aplicação das duas doses da vacina, a resposta imune pode chegar a 100% dos vacinados. 

Ambas já entregaram seus estudos clínicos à agência e estão aguardando aprovação para uso emergencial já nas próximas semanas. 

Como foram produzidas tão rápido?

Um fato que chamou atenção foi a rapidez com que as vacinas foram desenvolvidas – cerca de um ano da descoberta do novo coronavírus – o que levantou a suspeita sobre a eficácia delas. 

No entanto, é importante entender por que as duas principais vacinas, a CoronaVac e a de Oxford, foram desenvolvidas tão rápido. Veja:

A CoronaVac, por exemplo, é baseada numa tecnologia que existe desde os anos 1950. Ela parte de um vírus inativado, o mesmo princípio usado nas vacinas contra hepatite e influenza. Ou seja, usou-se uma tecnologia já conhecida, otimizando o tempo de produção. 

Já a vacina de Oxford é baseada em um adenovírus, que causa um leve resfriado nos chimpanzés. Na criação da vacina, os cientistas modificaram geneticamente esse adenovírus para se parecer com o Sars-CoV-2 (novo coronavírus). 

Quando a pessoa vacinada tiver contato com o real Sars-CoV-2, logo produzirá uma resposta imunológica. A tecnologia usada na vacina de Oxford é inovadora e provavelmente servirá como base para a criação de futuras vacinas. 

Elas podem erradicar a covid-19?

O que a imunização em massa pode fazer é diminuir a taxa de casos graves da covid-19, fazendo com que o número de internações e morte diminuam. 

É provável que o vírus continue circulando e se torne endêmico, assim como a influenza. Ou seja, a covid-19 pode continuar infectando pessoas que estiverem suscetíveis à doença.

A pessoa vacinada pode contrair o vírus e/ou transmitir para outras pessoas?

Os cientistas estão em busca dessa resposta. O que se sabe até o momento é que as vacinas em estágio final são seguras e eficazes.

Quando a vacinação em massa começar é que a ciência poderá mensurar o impacto da transmissão entre a população. 

Um mesmo tipo de vacina vai funcionar para todas as pessoas?

Não. Além de grupos específicos – grávidas, mulheres amamentando e alérgicos, entre outros – há a questão da faixa etária. Conforme o tempo passa, o sistema imunológico muda. 

Por isso, uma vacina considerada eficaz e segura em adultos pode não ser para crianças ou idosos, e vice-versa. 

A vacina de Oxford não permitiu testes em voluntários grávidas na fase 3, o que indica que esse grupo terá restrições. 

É esperado que os laboratórios divulguem com detalhes a bula das vacinas, o que ajudará o Brasil a montar seu plano de vacinação com segurança. 

Agora que você já entendeu como as vacinas agem no organismo, não deixe de conferir também outro destaque do nosso blog. Leia: Nova cepa do coronavírus: o que se sabe sobre ela? A Samel explica.

vacinas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

As vacinas são usadas há décadas no Brasil, sendo o mais importante meio de prevenir doenças contagiosas, como o sarampo, por exemplo. Mas você sabe como a...

As vacinas são usadas há décadas no Brasil, sendo o mais importante meio de prevenir doenças contagiosas, como o sarampo, por exemplo. Mas você sabe como a...

MAIS LIDAS

A nova cepa do coronavírus foi identificada no Reino Unido, mas já está presente em ...

Uma das dúvidas mais frequentes sobre a covid19 é se uma pessoa assintomática pode levar ...

Homens também precisam incluir exames preventivos na rotina para monitorar a saúde e ter mais ...