Variante indiana do coronavírus: 7 questões respondidas sobre ela

samelblog
2 de junho de 2021

O novo coronavírus, assim como outros tipos de vírus, está em constante transformação. A ciência já identificou algumas variantes em todo o mundo, e a mais recente, que vem deixando a comunidade médica preocupada, é a variante indiana, de nome técnico B.1.617.

Atualmente, ela está em pelo menos 66 países, incluindo o Brasil. Isso deixa o Ministério da Saúde em alerta, já que existem evidências de que ela seja mais transmissível e, talvez, mais agressiva. 

Mas, afinal, quais riscos a nova variante do coronavírus representa? Existe risco de uma terceira onda causada por ela? 

A Samel preparou uma lista com 7 questões respondidas sobre a nova cepa. Acompanhe!

Variante indiana do coronavírus (B.1.617): 7 questões sobre ela

Antes de entrarmos em detalhes, é importante reforçarmos que “variante indiana” não é o termo mais adequado.  Ela está sendo popularmente chamada assim em referência ao seu local de descoberta. 

Mas os médicos preferem chamar pelo nome técnico –  B.1.617, para evitar qualquer conotação xenofóbica ou preconceituosa. 

1. O que é a variante B.1.617?

Trata-se de uma versão evolutiva do Sars-Cov-2 (novo coronavírus). Isso quer dizer que o vírus se modificou e agora possui características que o tornam um pouco diferente do original, identificado pela primeira vez em Wuhan, na China. 

Por causa dessa modificação, entende-se que ele pode impactar a forma como infecta uma pessoa. Atualmente, ele vem se tornando a cepa dominante, ou seja, com capacidade para prevalecer entre as outras variantes do Sars-Cov-2. 

2. Ela é mais transmissível que as outras versões do vírus?

Até o momento, ela já foi identificada em mais de 66 países, incluindo o Brasil. Por ser uma cepa que vem se espalhando muito rapidamente, presume-se que sim.

Dados de vigilância genômica da Índia, Inglaterra e Canadá sugerem alta transmissibilidade da variante e indicam que ela possui uma vantagem adaptativa. 

Apesar disso, ainda não existem evidências sobre o impacto dela na evolução da doença para casos mais graves ou na taxa de letalidade.  

Não deixe de conferir também:

Como recuperar olfato e paladar após a covid-19? 

Como uma pessoa assintomática transmite o coronavírus? 

3. O que a versão B.1.617 do coronavírus causa?

Na prática, todas as variantes do coronavírus provocam os mesmos sintomas e reações já conhecidas. O que preocupa, no caso da cepa indiana, é justamente o fato dela ser possivelmente mais transmissível

Com as versões já conhecidas do coronavírus, é necessário ter contato com uma quantidade considerável de vírus para que uma pessoa adoeça. Com a cepa B.1.617, a carga viral necessária para uma infecção pode ser menor.

Nesse sentido, pode haver um aumento do número de casos da doença. 

4. Existe alguma relação da B.1.617 com o “fungo preto”?

Recentemente, um homem de 56 morreu em Manaus com o chamado “fungo preto”, o mesmo que já acometeu mais de 9 mil pacientes com covid-19 na Índia. Por esse motivo, é possível que haja relação de fatores entre as doenças. 

Mas é importante ressaltar que estudos ainda estão sendo feitos para determinar o que de fato causou o “fungo preto” nos pacientes. 

5. Pacientes infectados pela “nova cepa” precisam de tratamento diferenciado?

Até o momento, não. O mesmo tipo de tratamento vem sendo aplicado nos pacientes infectados pela nova cepa. A oxigenação suplementar e o uso de alguns medicamentos anti-inflamatórios possuem uma média de eficácia semelhante em todos os casos.

Em Manaus, um estudo conduzido pelo Grupo Samel em parceria com a Applied Biology, que utiliza o medicamento Proxalutamida no tratamento de pacientes com covid-19, mostrou resultados bastante positivos.  

6. As vacinas disponíveis protegem contra ela?

Um estudo do sistema de saúde público da Inglaterra (Public health England) mostrou que os imunizantes Cominarty (Pfizer/BioNTech) e AZD1222 (AstraZeneca/Universidade de Oxford) são efetivos contra a covid-19 provocada por essa variante.

Segundo o Instituto Butantan, estudos ainda estão sendo feitos para medir a eficácia da vacina CoronaVac contra a variante originada na Índia.

7. Existe o risco de uma terceira onda causada pela cepa indiana?

Pelo menos 8 estados registraram aumentos das internações por síndrome respiratória aguda grave nas últimas semanas. Isso aponta uma tendência de aumento e talvez o risco de uma terceira onda.

No entanto, é importante lembrar que a cepa indiana chegou há pouco tempo no Brasil e não é possível afirmar qual o seu impacto na pandemia no país. 

Conclusão

É importante que a população brasileira continue tomando todos os cuidados para evitar a infecção pelo Sars-Cov-2. Afinal, todas as variantes do coronavírus são potencialmente danosas. Siga as dicas:

  • Lave bem as mãos com água e sabão, além de usar álcool em gel 70%;
  • Mantenha o distanciamento social sempre que puder;
  • Use máscara de proteção, principalmente ao sair de casa;
  • Permita-se ser vacinado quando chegar a sua vez.

Somente com esses cuidados juntos é possível prevenir a covid-19. 

Tirou suas dúvidas sobre a variante indiana do coronavírus? No nosso blog você tem outros assuntos relacionados. Veja também: Como as vacinas agem no organismo de uma pessoa?

covid-19Variante Indiana

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

O novo coronavírus, assim como outros tipos de vírus, está em constante transformação. A ciência já identificou algumas variantes em todo o mundo, e a mais recente, ...

O novo coronavírus, assim como outros tipos de vírus, está em constante transformação. A ciência já identificou algumas variantes em todo o mundo, e a mais recente, ...

MAIS LIDAS

Resultados apontam redução no tempo médio de internação, no número de mortes e na realização ...

A nova cepa do coronavírus foi identificada no Reino Unido, mas já está presente em ...

Samel trouxe dicas de especialistas para te ensinar como recuperar olfato e paladar perdidos ...